PANGEA e PANTALASSA

Pangea e Pantalassa
[pan=tudo/inteiro; gea=terra]

Pangea animation 03.gif
Resolução maior não disponível.
Pangea_animation_03.gif

Supercontinente único, rodeado por um mega oceano (Pantalassa), que provavelmente existiu no Permiano, há cerca de 250 milhões de anos, e que teria sofrido rifteamento, dando origem ao proto-oceano que evoluiu para o oceano Tethys, já no Triássico, entre duas grandes massas continentais: Laurásia e Gondwana.

Pantalassa

(do grego, pan + talasso, que significa “todos os mares”), também conhecido como Panthalassa ou Oceano Pantalássico, era o outrora vasto oceano global que rodeava o supercontinente Pangaea, durante as eras do Paleozóico e início do Mesozóico. Incluía o primitivo Oceano Pacífico, a norte e oeste, e o Mar de Tétis a sudeste. Tornou-se no actual Oceano Pacífico após o fecho da bacia do Mar de Tétis e a fragmentação de Pangaea, factor que levou à criação das bacias dos oceanos Atlântico, Árctico e Índico. A Pantalassa é por vezes denominada por Paleo-Pacífico (“velho Pacífico”), devido ao facto deste oceano ter evoluído a partir deste último.

Formação

Há cerca de 900 milhões de anos atrás, formou-se uma junção tripla à medida que o supercontinente Rodínia começou a sua fragmentação através do aparecimento de riftes. Entre cerca de 800 e 700 milhões de anos atrás, este supercontinente separou-se em dois. Este foi um importante evento de deriva continental por rift, uma vez que abriu o Oceano Pantalássico a oeste da Laurentia, um continente antigo que viria a dar origem à América do Norte.

Na zona oeste de Laurentia, episódios tectónicos que precederam esta separação, produziram riftes falhados que albergaram grandes bacias sedimentares. Mirovia, o oceano global que rodeava Rodínia, começou a encolher devido à expansão dos oceanos Pan-Africano e Pantalássico. Entre 650 e 550 milhões de anos, outro supercontinente encontrava-se em formação, a Pannotia, cuja forma lembrava um “V”. Dentro deste “V” emergia a Pantalassa, enquanto no exterior deste situava-se o Oceano Pan-Africano e as remanescências de Mirovia.

Actualmente, a maior parte da crosta e bacia oceânica da Pantalassa subduziu sob a placa norte-americana e a placa euroasiática. As reminiscências da placa oceânica de Pantalassa podem ser observadas na placa Juan de Fuca, placa de Gorda, placa de Cocos e placa de Nazca, tendo as quatro feito parte da antiga placa de Fallaron.

About these ads

~ por arauto do futuro em novembro 19, 2008 quarta-feira.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 398 outros seguidores