MORRO DO BAÚ – “O paraíso não existe mais”

Alexandre Borges

O Morro do Baú é sempre visto de todos os lados do Médio-Vale do Itajaí.
Inconfundível. Essa é a expressão que melhor descreve o Morro do Baú. Tanto pelo formato como pela exuberância, o Baú, como é simplesmente chamado, faz parte não somente da paisagem, onde marca forte presença, mas também do imaginário de quem costuma apreciá-lo. Também não há como não vê-lo. Das duas vias que ligam o Litoral ao Vale do Itajaí é possível contemplá-lo.

Tendo recebido esse nome em função do formato, o Morro do Baú apresenta uma série de características que fazem com que seja muito visitado em todas as épocas do ano. Uma delas, como não poderia deixar de ser, é a Mata Atlântica praticamente inexplorada e as surpresas que abriga: fauna abundante e vegetação riquíssima.

Felizmente, o acesso ao alto do morro (que acaba sendo mais íngreme do que os demais morros visitáveis do Vale) dificultou a sua exploração por parte de caçadores e madeireiros. Mesmo assim, tendo passado o tempo e havendo, hoje, uma forte conscientização ambiental, pode-se ver que mesmo a pequena parcela que foi usurpada por exploradores, hoje continua seguindo o caminho da vida.

Dizer que o Morro do Baú está presente no imaginário das pessoas somente por ser caracteristicamente belo de longe, da rodovia, é um engano. Quem o conhece, apaixona-se. Seja por suas paredes de pedra (onde se pratica alpinismo), suas trilhas no meio da mata (locais excelentes para trekking e ciclismo off-road) ou suas famosas cachoeiras e fontes (excelentes para rapel). Há ainda no morro escrituras rupestres que possivelmente representam as fases da lua. Como ainda não se revelou o mistério das escrituras, é só mais um motivo para admirar o Baú como o gigante adormecido que aparenta ser.

O Morro do Baú tem 819 metros de altura. Para se chegar ao pico, são 4.140 metros de subida. Recomenda-se usar roupas leves durante a caminhada, bem como calçados que não deslizem facilmente. Mas o importante é levar um agasalho na mochila: pela altura e pela falta de morros vizinhos, o vento lá em cima pode ser desconfortável, porque frio. E para vencer sem problemas a caminhada da subida, recomenda-se levar frutas ou comidas leves e um bom cantil, pois a água pode ser reabastecida durante a subida numa das fontes de água cristalina.

Visitar o Morro do Baú é tomar conhecimento da preocupação de determinados órgãos da sociedade em educar e transmitir a necessidade da preservação de áreas verdes e selvagens. Além do mais, conforme aumentam as preocupações do mundo moderno (cada vez menos florestas, cada vez menos ar puro e cada vez menos água), maior é a surpresa de quem encontra, no meio de uma área devastada pela agricultura e pela pecuária, um lugar tão belo e cheio de vida como este.

<!–

Veja no Google Earth

MORRO DO BAÚ EM DIA DE CHUVA por magrufloriano.

Vista do Morro do Baú, município de Ilhota, em dia de chuva. Visto a partir da cidade de Itajaí

MORRO DO BAÚ E ITAJAÍ por magrufloriano.

vista panorâmica do Morro do Baú visto a partir da cidade de Itajaí em um dia de chuva. Galeria de magrufloriano

Rio Itajai-Açu por Giba Härbe.

Ao fundo Morro do Baú (esq.)  Galeria de Giba Härbe
Parque Ecológico do Morro do Baú

Parque Ecológico do Morro do Baú

ILHOTA – Morro do Baú

O Parque é base de pesquisas ecológicas do Herbário Barbosa Rodrigues, também conta com cachoeiras e quedas d’água, e uma caverna situada no Alto Morro do Baú.

Ilhota tem um dos picos mais altos da região, o denominado Morro do Baú, que mede 819 metros. O lugar é um verdadeiro patrimônio histórico e ecológico, possuindo um horto botânico que também funciona como estação de preservação e pesquisa, além de contar com uma das mais belas cachoeiras do Vale do Itajaí.

Oferecendo bons locais para a prática de alpinismo, turismo ecológico e viagens de lazer com fins culturais, o município também é um dos melhores lugares para a prática de esportes aéreos que não agridam a natureza, como parapente e asa-delta.

Também existem piscinas naturais e vários pesque-pagues. Aproveitam-se também as quedas d’água para as arrozeiras e até para uma serraria que já completou 102 anos de existência.

A região do Morro do Baú tem cerca de 100 km² e está encravada no meio de dois vales, infelizmente, estava.

O número de deslizamentos na região já chegou a 4 mil desde sábado passado, segundo o Instituto de Pesquisa Tecnológica (IPT).

Exército ordena que todos saiam de região de Ilhota em SC

‘Corre para o alto. Quem ficar vai morrer’ –   O Estado de São Paulo

Soterramentos fazem mais vítimas; foram 4 mil deslizamentos em 7 dias

Sobrevôo no Morro do Baú, em Ilhota

Imagens aéreas do Morro do Baú, uma das áreas mais afetadas pelas enchentes em Santa Catarina (diario.com.br)

Defesa Civil tem maior operação aérea da história em SC – SOS SC – RBS

Com chuvas, produtos somem e preços disparam até 100%

Chuvas em Santa Catarina: Itajaí terá hospital de campanha

G1 – Veja a cobertura da tragédia em SC


~ por arauto do futuro em novembro 29, 2008 sábado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s