Tomara sejamos civilizados…

Uma entrevista

01/06/2009 – 10h06

“Tomara sejamos civilizados

quando chegar o desastre

climático”

Por Stephen Leahy*

Toronto, 1º de junho (Terramérica) – “Espero que, quando desatar o primeiro grande desastre climático, nos unamos como se estivessem invadindo nosso país”, afirma o cientista britânico James Lovelock nesta entrevista exclusiva ao Terramérica. Na medida em esquenta o clima e aumenta a concentração de carbono na atmosfera, o futuro fica muito mais nefasto do que as piores projeções do Grupo Intergovernamental de Especialistas sobre Mudança Climática (IPCC), diz Lovelock. Químico, médico e biofísico, este homem é o pai da Teoria Gaia, que descreve o planeta como um organismo vivo, um complexo sistema onde todos os componentes da biosfera e da atmosfera interagem para regular e sustentar a vida.

Frequentemente controverso, Lovelock tem amplas credenciais científicas. Como inventor, é titular de aproximadamente 50 patentes, entre elas os primeiros aparelhos para detectar clorofluorocarbonos, gases que afetam a camada de ozônio, e resíduos de pesticidas no meio ambiente. Também é autor de vários livros. O último deles, “O desaparecido rosto de Gaia – Uma última advertência”, foi publicado em abril. O Terramérica conversou com Lovelock em Toronto.

TERRAMÉRICA: Por que o senhor critica o IPCC?

JAMES LOVELOCK: Não significa que não tenham excelentes cientistas. Mas seus modelos informatizados não dão conta da resposta da biosfera ao aumento da temperatura pelo aquecimento global, nem incluem a resposta das florestas ou dos oceanos à maior concentração de dióxido de carbono. Ainda não podem modelar a autorregulamentação da Terra. Por isso suas projeções não batem. As observações detectam que o aumento do nível do mar é muito maior e que o derretimento do Ártico está ocorrendo em maior velocidade do que acredita a maioria.

TERRAMÉRICA: A Terra já passou do ponto de inflexão climática?

JL: Sim. Está passando a um estado mais quente em resposta às mudanças que provocamos ao transformar boa parte da superfície do planeta e agregar dióxido de carbono à atmosfera. Não esqueçamos que a Terra já esteve quase inteiramente coberta de florestas, que eram uma parte importante do sistema regulador da vida planetária. Seguindo a Teoria Gaia, em algum momento haverá uma mudança repentina para um novo clima que poderá ser, em média, cinco ou seis graus mais quente do que o atual. Não tenho idéia de quando essa mudança poderá ocorrer, mas estimo que teremos cerca de 20 anos para nos preparar.

TERRAMÉRICA: Como será este novo clima?

JL:
As zonas tropicais e subtropicais serão muito quentes e secas para cultivar alimentos ou manter a vida humana. As pessoas serão obrigadas a emigrar para os polos, para lugares como o Canadá. No final do século haverá menos de um bilhão de pessoas. Tomara que não deixemos de ser civilizados, e que aqueles que viverem no Norte acolham uma quantidade inimaginável de refugiados do clima.

TERRAMÉRICA:
O senhor descreve um futuro nefasto. Não há esperanças?

JL:
Os seres humanos precisam adaptar-se para sobreviver neste novo planeta mais quente. Sobrevivemos à última era interglacial, quando o gelo cobria boa parte da América do Norte e da Europa e o nível do mar era 120 metros mais elevado do que agora. O primeiro passo é deixar de acreditar cegamente que tudo o que temos de fazer é reduzir nossa pegada de carbono e começar os preparativos para nos adaptar ao que virá.

TERRAMÉRICA: O senhor está dizendo que não devemos tentar reduzir as emissões de carbono?

JL:
Não estou dizendo que não podemos fazer nada. Digo que muitas das alternativas verdes, com a energia eólica, não têm mais que um valor simbólico. Depois dos Estados Unidos, a Alemanha é líder mundial em energia eólica, e suas emissões de carbono não deixaram de aumentar. É muito difícil reduzir drasticamente as emissões de carbono. O problema é que a pegada total de carbono de quase sete bilhões de pessoas é muito mais do que o planeta pode suportar nas condições atuais. Deveríamos proteger todas as florestas que restam, retornar boa parte das terras cultiváveis ao seu estado natural, utilizar os oceanos para capturar carbono e obter nossos alimentos a partir de alguma forma de biossíntese.

TERRAMÉRICA: A energia nuclear é uma alternativa melhor à eólica ou à solar?

JL: A nuclear é a única fonte de energia prática e baixa em carbono. O fato de ser rechaçada pelos ecologistas é uma bobagem. A energia nuclear é mais segura do que as outras, e as preocupações com seus resíduos são infundadas. Os dejetos produzidos em um ano por um grande reator nuclear caberiam dentro de um automóvel. Na França, os resíduos radioativos de 25 a 30 anos estão guardados em uma área bem protegida do tamanho de uma pequena sala de concertos. O dióxido de carbono é muito mais perigoso.

TERRAMÉRICA:
O que diz da geoengenharia, que manipula o clima para enfrentar os efeitos do aquecimento global?

JL: Vale a pena examinar idéias como a injeção de aerossóis de sulfeto na estratosfera para refletir parte do calor do Sol para o espaço, a fim de esfriar o planeta. Se isso funcionar, poderemos ganhar tempo, mas não solucionará o problema.

TERRAMÉRICA: Como chegamos a uma situação em que todas as espécies estão em perigo?

JL: É como a calma que antecedeu a Segunda Guerra Mundial (1939-1945) na Grã-Bretanha, que vivi quando era jovem. Ninguém fez nada até que as bombas começaram a cair. Para a maioria, a mudança climática é algo teórico. Espero que, quando desatar o primeiro grande desastre, nos unamos como se estivessem invadindo nosso país.

* O autor é correspondente da IPS.

Crédito da imagem: Gentileza Sandy Lovelock

Legenda: James Lovelock está perto de completar 90 anos.

LINKS

Quem salvará a Terra?, em espanhol
http://www.tierramerica.net/2000/suplemento/pag%207.htm

Sondagem climática divide cientistas
http://www.tierramerica.info/nota.php?lang=port&idnews=74

Cientistas pesquisam o degelo no Ártico
http://www.tierramerica.info/nota.php?lang=port&idnews=223

Energia mais limpa ou mais eficiente?
http://www.tierramerica.info/nota.php?lang=port&idnews=453

Renasce a energia nuclear
http://www.tierramerica.info/nota.php?lang=port&idnews=542

Plano nuclear na contramão da Europa
http://www.tierramerica.info/nota.php?lang=port&idnews=578

Site oficial de James Lovelock, em inglês
http://www.jameslovelock.org/

Grupo Intergovernamental de Especialistas sobre Mudança Climática, em inglês
http://www.ipcc.ch/

Artigo produzido para o Terramérica, projeto de comunicação dos Programas das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e para o Desenvolvimento (Pnud), realizado pela Inter Press Service (IPS) e distribuído pela Agência Envolverde.

Fonte: (Envolverde/Terramérica)

“Tomara sejamos civilizados quando chegar o desastre climático”
Por Stephen Leahy*
Toronto, 1º de junho (Terramérica) –

~ por arauto do futuro em junho 28, 2009 domingo.

Uma resposta to “Tomara sejamos civilizados…”

  1. […] Tomara sejamos civilizados… […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s