VIDA MESQUINHA E VIDA ABUNDANTE,

VIDA MESQUINHA E

VIDA ABUNDANTE.

A vida mesquinha comanda, mas pouco tempo lhe resta

porque vida mais abundante se aproxima.

O fim do mundo não é o fim do planeta

nem tampouco a nova ordem prometida

será o início de uma rodada bancária de magnitude global,

a profanação dos princípios sagrados não prevalecerá

e tudo que estiver contaminado por ela

conhecerá o lendário fim do mundo.

Por esse ralo irão países inteiros com seus sistemas,

ideologias arraigadas, religiões poderosas

e principalmente sucumbirá o templo bancário

que extorque nossa humanidade

em nome da manutenção de suposta ordem.

Palavras assim fazem sentido às almas que persistem na alegre,

mas aparentemente ingênua consideração da realidade.

Para o resto, as mesmas palavras são motivo de escárnio.

Data estelar: Lua quarto minguante de Peixes será Vazia a partir das 15h16, horário de Brasília.

.

Cuide para não se convencer de que as condições temporárias sejam permanentes, pois seria dessa forma que o desânimo se arraigaria em sua alma. O panorama é difícil, mas mesmo assim não prevalecerá, tudo vai mudar.

.

Quantas pontas soltas ficaram no caminho? Todas parecem ter conspirado para surgir simultaneamente requerendo sua atenção e cuidado. Desenvolva uma alegre persistência para tomar conta delas com carinho.

.

As circunstâncias são motivadoras de preocupações, porém, o tempo que sua alma ficar vinculada a essas não será produto das circunstâncias, mas de sua vontade. Decida quanto tempo vai ficar se preocupando.

.

O ideal de liberdade que a abundância de recursos materiais promove nunca se torna concreto. Pelo contrário, quanto mais recursos há disponíveis, mais obrigações vêm junto com esses e lá se vai a liberdade ansiada.

.

Será melhor você deixar de buscar apoio porque dificilmente o encontrará. Está em suas mãos a delicada decisão de contrariar a tendência da maioria e agir de acordo com a intuitiva imaginação.

.

Nada é obra das circunstâncias, no mundo humano tudo é resultado do movimento livre e criativo das decisões tomadas, ainda que muitas dessas pareçam fruto do acaso ou motivadas por circunstâncias maiores.

.

O tempo passa e nada acontece, o que não é resultado de falta de boa vontade, mas de excesso de pressões da parte de quem neste momento deveria facilitar o caminho em vez de continuar fazendo exigências.

.

Cometer erros e excessos faz parte da normalidade, porém, levando-se em conta que sua alma não quer ser normal, mas especial, então será sábio dar um passo diferente, atrevendo-se a consertar os erros cometidos.

.

Para conferir se tomou as decisões certas perscrute seu coração em busca de traços de ressentimentos ou ódio, condições que provocariam erros fatais. Se nada disso houver, então se convença, agiu certo.

.

Fazer valer sua vontade é um projeto digno. Porém, as circunstâncias atuais não favorecem essa dignidade, pelo contrário se aproveitam dela para aprofundar ainda mais as limitações e constrangimentos.

.

Ainda que seja preocupante ter de agir na base de informações desencontradas e sem a devida boa vontade de empreender e tomar atitudes, o panorama se desenhou assim e será sábio de sua parte agir. A ação é essencial.

.

O verdadeiro objetivo que se persegue agora é o impasse, ainda que teoricamente seja isso que se pretenda evitar. Se fosse assim todas as partes envolvidas já teriam feito as devidas concessões, o que não aconteceu.

.

Fonte: Quiroga.

Anúncios

~ por arauto do futuro em maio 25, 2011 quarta-feira.

3 Respostas to “VIDA MESQUINHA E VIDA ABUNDANTE,”

  1. Existem pistas por todas as partes, até nos Salmos, quem diria!

    Muita atenção oh habitantes deste mundo
    Ricos e pobres todos juntros sede atentos

    Minha boca vai dizer palavras sábias
    Que meditei no coração profundamente

    E inclinando meus ouvidos as parábolas
    Decifrarei ao som da harpa o meu enigma

    De que me vale os dias tristes e infelizes
    Quando a malícia dos perversos me circunda

    De que me vale os que confiam nas riquezas
    E se gloriam na abundância de seus bens

    Ninguém se livra de sua morte por dinheiro
    E nem a Deus pode pagar o seu resgate

    A isenção da própria morte não tem preço
    Não há riqueza que a possa adquirir

    Nem dar ao homem uma vida sem limites
    E garantir-lhe uma existência imortal

    Morrem os sábios e os ricos igualmente
    Morrem os tolos e também os insensatos
    E deixam tudo o que possuem a estranhos

    Os seus sepulcros serão sempre as suas casas
    Suas moradas através das gerações
    Mesmo que dêem o seu nome a muitas terras

    Não dura muito o homem rico e poderoso
    é semelhante ao gado gordo que se abate (…)

  2. Bem, lembrado e com sabedoria amigo Beijamin, só um tolo verdadeiro despreza as palavras da bíblia. Continuo meu estudos, e para surpresa de muitos, com os Testemunhas de Jeová, criticados por muitos, mas para o mais simples, o mais humilde deles com que conversei, considera o que Icke anuncia como coisa simples e de óbvio entendimento nos estudos das escrituras. Bom exemplo este que deste citando o salmo 48, que na tradução deles começa assim:

    Ouvi isto, todos os povos.
    Dai ouvidos, todos os HABITANTES DO SISTEMA DE COISAS
    Vós filhos da humanidade, bem como vós filhos do homem.

    Uma agradável surpresa ouvir isto vendo de ti.

  3. Tem umas coisas insuspeitas nos salmos, dicas bem interesasntes e reveladoras, mensagens mesmo, que também funcionam como evocações mágicas, se o quisermos.
    O que me chamou a atenção ultimamente foi algo que peqguei em outro salmo (não me lembro o número) e que tem a ver com isso que deixou aqui; “Vós filhos da humanidade, bem como vós filhos do homem.”
    Essa distinção de duas naturezas humanas encarnadas também está presernte em outro salmo:
    (…) Vós que sobre os querubins vos assentai
    Aparecei cheio de glória e esplendor
    Ante Efraim. Beijamim e Manassés
    Despertai vosso poder oh nosso Deus
    E vinde logo nos trazer a salvação (…)
    Convertei-nos oh Senhor Deus do Universo
    E sobre nós iluminai a Vossa face
    Se a voltardes para nós
    Seremos Salvos

    Arrancaste do Egito esta videira
    E expulsaste as nações para plantá-la
    Até o mar se estenderam seus sarmentos
    Até o rio seus rebentos se espalharam

    Então porque vós destruístes sua cerca
    Para que todos os passantes a vindimem
    O javalí da mata virgem a devaste
    E os animais do descampado nela pastem (…)

    O salmo é longo e continua a lamentar o fato de três tipos humanos ou três linhagens serem espalhadas e misturadas à linhagem humana corrente, mas sem aparente proteção alguma.

    Eu não coloco o pseudônmimo Beijamim aqui de graça, tem o motivo de ter recebido esse nome do espiritual, na força do Daime, sem compreender muito bem o porquê. Então fui buscando as respostas, fui parar lá na lenda do José do Egito pra ver do que se tratava.
    Hoje acredito que se trate do nome dado a uma coletividade espiritual encarnada, tudo bem, pode ter partido de um, mas existe uma coletividade que responde. Efraim e Manassés, também citados nos salmos, pra mim também são coletividades com algo de diferenciado, uma busca que os rasgue por dentro talvez.
    O que acredito, sem ter certeza, é que existem linhagens que não são daqui, mas estão misturadas.
    Uma vez perguntei ao Daime sobre isso e a resposta foi muito simples: como vocês esperam ajudar, salvar ou resgatar alguém se não passarem pelas mesmas contingências? Como vão perdoar e entender se não forem também reféns da ignorância e não entenderem bem como é difícil mesmo sair dela?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s