RAZÃO DE CONSCIÊNCIA

POR RAZÃO DE CONSCIÊNCIA

Atualização em : 14/01/2009

Imprensa mostra, mas não explica

Por Luís Olímpio Ferraz Melo em 13/1/2009

A origem dos conflitos no Oriente Médio encontra-se nos livros ditos sagrados que são seguidos por bilhões de pessoas no mundo nas três principais religiões: judaísmo, cristianismo e islamismo. Não há prova cabal alguma do que se tem escrito nesses livros, pois os relatos, ambíguos e dúbios, podem ser, no máximo, prova circunstancial e de valor duvidoso e frágil, e Abraão, o patriarca de toda essa história religiosa mediana oriental, segundo renomados historiadores, nem sequer existiu. No conflito atual no Oriente Médio entre Israel e o grupo xiita islâmico Hamas, que domina a Faixa de Gaza, há dificuldade até de intelectuais e cientistas políticos explicá-lo.

Gaza fica numa região entre Israel e o Egito e a região da Palestina, que surgiu oficialmente em 1920, durante a criação do Mandato Britânico da Palestina, englobava a Jordânia, Israel e parte da Síria. O Hamas é grupo terrorista e todo terrorista é suicida, mas o terrorismo nunca foi nem será causa para se defender, pois quem assim age denuncia-se portador de distúrbio mental e cria para a humanidade uma situação impossível – ou seja, como punir um irrecuperável suicida?

Aliado estratégico

Poderíamos até afirmar que os próprios soldados que “desejam” ir à guerra, são na verdade, suicidas em potencial, pois quem tem higidez mental não pensa ou deseja viver na iminência da morte. Se o homem pudesse escolher livremente, sem a influência de seus governantes e/ou líderes religiosos, se quer ou não ir à guerra, nunca mais haveria conflito no mundo, mas quem decide sempre, em última análise, são justamente os líderes religiosos e os governantes. Há no planeta Terra 217 países com o mesmo número de governantes e/ou líderes religiosos – em alguns países, o governante é também o líder religioso – para governar uma população de quase sete bilhões de pessoas e esses poucos governantes é que decidem o destino da humanidade.

O Estado de Israel – Israel significa: aquele que luta com Deus – foi fundado em 1948 e os índices de violência urbana são próximos de zero, mas há conflito político permanente, pois muitos não reconhecem Tel Aviv como a sua capital, é o único país do mundo com duas capitais – Tel Aviv e Jerusalém. Israel é aliado estratégico dos EUA no Oriente Médio e não é raro ver pelas ruas e avenidas de Israel, em qualquer época, homens, mulheres e adolescentes civis portando armas de grosso calibre como se a qualquer momento alguma guerra fosse ser deflagrada. Homens e mulheres israelenses têm por obrigação servir ao exército por três anos e mesmos após este período podem ser novamente convocados.

Regras contra as guerras

Sem a fenomenologia da percepção, poder-se-ia dizer que a questão é meramente religiosa, mas não é, pois há mais interesses obscuros por trás de todos esses conflitos. Observem, por exemplo, que a atual crise econômica anuncia um “rombo” de bilhões de dólares, mas é, no mínimo, contradição se gastar numa guerra inglória qualquer o mesmo valor, ou seja, a beligerância é mais importante do que o equilíbrio financeiro mundial e o bem-estar das pessoas e famílias. Não há justificativa plausível para guerra alguma. Onde estão as armas de destruição em massa que os EUA e a Inglaterra usaram na mídia como argumento para invadir e arrasar o Iraque? Abram a mente e os olhos…

Estive em Israel e no Egito e conversei com várias dezenas de judeus e muçulmanos – lá vivem apenas 20% de cristãos – e não identifiquei esse “ódio” generalizado propagado pela mídia, pois eles me diziam querer apenas cuidar de suas famílias, professar a sua fé e viver em paz – senti sinceridade nesses depoimentos. É preciso a imprensa explicar à humanidade os dois remédios para a cura dessas guerras: 1º – revogar, em caráter irretratável, todos esses livros ditos sagrados, pois são a gênese de todas as discórdias que equivocadamente são repassadas de gerações até hoje em dia; e o 2º – regra de ouro: abram seus corações, antes que algum cardiologista tenha que fazê-lo.

Fonte: observatório da imprensa

Última Atualização: 09/01/2009 – 23:50

Segue publicação inicial : POR RAZÃO DE CONSCIÊNCIA

Você conhece estes jovens?


… não,

eles não

estarão


no  próximo

“BBB”…


…também

não são…


“terroristas”,


mas,

foram

encarcerados

porque…


ELES SEGUEM

A CONSCIÊNCIA DELES…


E VOCÊ SEGUE A SUA?


“Objeção de consciência”, na definição de um grupo de jovens de 16 a 19 anos, é a recusa a servir o exército por razões de consciência.

Vídeo dos objetores de consciência que se recusaram a servir o exército de ocupação de Israel. Jovens secundaristas de 18 e 19 anos que discordam da política de ocupação da Palestina. Foram presos. Vídeo remete a uma carta de apoio a ser enviada ao ministro da defesa de Israel.

Mais abaixo, conheça aos jovens que foram presos.

Envie Carta de apoio a

Objeção de consciência dos jovens de israel

www.december18th.org

Tradução livre da Carta de apoio encontrada no link acima.

Apoio os Shministim e seu direito de opor-se pacificamente ao serviço militar. Clamo para a libertação desses adolescentes que foram presos e que por seus princípios de consciência, negaram  servir em um exército que ocupa os Territórios palestinos. A prisão destes objetores de consciência é uma infração de seus direitos humanos e  contrário ao Direito internacional.

Sou inspirado por estes estudantes que cuidam e por suas contrapartes na Palestina, cuja resistência não violenta à ocupação assinala uma manera para uma justa paz e a segurança para todas pessoas na região. Eles são nossa melhor esperançaa para o futuro.  Eu  insisto a prestar-lhes atenção e não os punir .

Jovens israelenses presos por oposição à guerra pedem apoio mundial

Por Gustavo Barreto em consciencianet

Shministim. Já ouviu falar? São objetores de consciência. “Objeção de consciência”, na definição de um grupo de jovens de 16 a 19 anos, é a recusa a servir o exército por razões de consciência. Resultado: estão presos e pedem o apoio da sociedade civil global.

Os Shministim – todos com idade entre 16 e 19 anos, no final do segundo grau – são objetores de consciência em Israel e estão presos.

Eles acreditam num futuro melhor e mais pacífico para eles e para os israelenses e palestinos. Eles recusaram o alistamento do Exército de Israel. Além da prisão, eles suportam uma enorme pressão da família, de amigos e do governo de Israel. “Eles precisam do nosso apoio e eles precisam hoje”, afirma um comunicado que circula por emails e sites em todo o mundo.

Os Shministim pediram ao grupo “Jewish Voice for Peace” para buscar pessoas da sociedade civil global para fazer o governo de Israel saber que existe outros objetores de consciência em todo o mundo que apóiam sua coragem. Esperam receber centenas de milhares de ‘postcards’ que serão entregues ao Ministro da Defesa de Israel. Já chegaram 22 mil cartas até agora (veja abaixo o site).

“Especialmente agora que bombas caem sobre Gaza, nós somos lembrados de que quando os soldados dizem não ao ilegal, mortes são evitadas”, afirma outro trecho do comunicado.

Os Shministim esperam representar não apenas os milhares que os precederam, não apenas os muitos jovens para quem eles são um exemplo, mas também querem representar pessoas como as milhares de centenas de pessoas que, em todo o mundo, querem a paz.

Em 18 de dezembro foi lançada a campanha mundial pela libertação destes jovens. Assista ao vídeo, abaixo. A campanha, a carta de apoio e as histórias destes jovens estão no site www.december18th.org

Conheça os Shministim

Tamar Katz

Nome: Tamar Katz
Idade: 19
Local: Tel-Aviv

Porque eu sou um Shministim:

“Eu me nego a recrutar no exército israel por motico de consciência. Eu não estou disposta a fazer parte de um exército que ocupa, que tem sido um invasor de terras extrangeiras por décadas, que perpetua um regime racista de roubo nestas terras, tiraniza a civis e torna a vida difícil para milhões sob um pretexto falso de segurança. ”
First Sentence: 28th Sept. – 10th Oct. 2008 (12 days)
Second Sentence:
12th – 30th Oct. 2008 (18 days)
Third Sentence: 1st – 22nd Dec. 2008 (21 days) )

Read more…

Yuval Ophir Auron

Nome: Yuval Ophir-Auron
Idade: 19

Porque eu sou um Shministim:
“Eu tenho a convicção de que ninguém, somente nós  mesmos que determinamos o nosso destino de viver . Há outra maneira, que não é a maneira da guerra. Este é o caminho do diálogo, da compreensão, da concessão, do perdão, da paz.
Creio que uma pessoa deve tomar responsabilidade e sentir-se reconciliado à maneira que escolher. Por isso que eu não me unirei a um exército que cujas ações eu não posso respaldar-me e cuja conduta eu não posso justificar. ”
First Sentence: 24th Nov. – 5th Dec. 2008
Second Sentence: 7th – 14th December 2008

Read more…

Raz Barra-David Varon

Nome: Raz Barra-David Varon
Idade: 18
Porque eu sou um Shministim:
Eu não nasci para servir como  soldado que ocupa outro, e a luta contra a ocupação é minha também. É uma luta para a esperança, para uma realidade que se sente as vezes tãosdistante. Tenho uma responsabilidade para esta sociedade. Minha responsabilidade é de negar-me a isso. ”
First Sentence: 3rd – 21st Nov. 2008 (18 days)
Second Sentence:
24th Nov. – 30th Nov. 2008
(6 days)
Third Sentence: 21st Dec. – 9th Jan (atualmente na prisão)

Read more…

Omer Goldman

Nome: Omer Goldman
Idade: 19
Local:
Tel-Aviv
Porque eu sou um Shministim:
“Creio no serviço para a sociedade que formo parte, e isso é precisamente porque eu me nego a tomar parte nos crimes da guerra cometidos por meu pais. A violência não trará nenhum tipo de solução, e eu não cometerei violência, venha o que vier. ”
First Sentence: 22nd Sept. – 10th Oct. 2008 (18 days)
Second Sentence:
12th – 24th Oct. 2008 (10 days)

Read more…

Mia Tamarin

Nome: Mia Tamarin
Idade: 19
Local: Tel-Aviv
Porque eu sou um Shministim:
“Eu não posso chegar a ser parte de uma organização que o propósito é de defender distante a violência com violência, porque seria inequivocamente o contrário de tudo que acreditei em minha vida intera. Sempre há outra, opção pacífica, é esta opção que escolho. ”
First Sentence: 28th Sept. – 10th Oct. 2008 (12 days)
Second Sentence: 12th – 24th Oct. 2008 (12 days)
Third Sentence: 5th – 23rd Nov 2008 (18 days)

Read more…

Sahar Vardi

Nome: Sahar Vardi
Idade: 18
Local: Jerusalén
Porque eu sou um Shministim:
Eu me dou conta de que o soldado no ponto de revista não é responsável pela política despreciável do opressor para com civis, eu  não posso aliviar esse soldado da responsabilidade de sua conduta … que significa a responsabilidade humana de não causar sofrimento a outro humano”.
First Sentence: 25th – 31st Aug. 2008 (6 days)
Second Sentence: 12th – 30th Oct. (18 days)
Third Sentence: 3rd – 21st Nov. 2008 (18 days)

Read more…

Udi Nir

Nome: Udi Nir
Idade: 19
Local: Tel-Aviv
Porque eu sou um Shministim:
“Eu não emprestarei minha própria mão para a ocupação e a atos que contradizem meus maiores valores básicos: direitos humanos, a democracia e a responsabilidade pessoal cada e cada humano que é outro para seres humanos próximos. ”
Sentence: Aug. 21st – Sept. 7th 2008 (18 days)

Read more…

Perdoem a tradução livre da madrugada, e se encontrarem erros informem para corrigirmos.

ATUALIZAÇÃO em 09-01-2009 as 14:00


2 Respostas to “RAZÃO DE CONSCIÊNCIA”

  1. é importante tentar entender os porques .

  2. Estou impressionado com esta página!
    A chama pela paz deve atravessar o mundo e derrubar fronteiras, quartéis, palácios, mentiras, preconceitos e desumanidade!
    Continue na luta!
    Sempre! Sempre!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s