“O SOM DA PEDRA QUE BRILHA”

*

Vamos abordar agora o evento do ‘apagão’ a partir de outra perspectiva, do outro extremo, do outro ponto de vista, mais além da problemática imediatista e que vai mexer com línguas, com os mitos e com o imaginário popular  que permeiam a existência dessa civilização humana desde seu princípio até os dias de hoje, acerca de nossos irmãos da galáxia.

Faremos um exercício de ligar pensamentos opostos e por vezes antagônicos para criar uma visão panorâmica do momento atual da transição em que estamos inseridos.

Começaremos observando o significado da denominação em línguagem indígena dos locais onde recentemente se precipitou o que poderemos dizer ‘sinais de alerta’  que possam estar querendo ‘chamar nossa atenção’ através destes ‘símbolos’ e suas possíveis interpretações.

Iniciando pelo significado da palavra Índio que teriam sido assim denominados por exploradores do passado ao aportar em terras recém descobertas exclamaram que:

Esto és un pueblo en Dios

… isso antes que estes mesmos exploradores começassem a destruir e dominar o ‘céu que havia na terra’… A partir de então os denominavam  como  “Índios” tornando o termo pejorativo ao longo da sua dominação.

Seguimos com o significado que designa a etnia indígena do interior da América do Sul, a palavra guaraní ou guariní ou gûarinim – palavras variantes que significam guerreiro, lutador , e tupi que significa:

tupi (1) – povo indígena que habita(va) o Norte e o Centro do Brasil, até o rio.
tupi (2) – um dos principais troncos linguísticos da América do Sul, pertencente.
tupi-guarani – um das quatro grandes famílias linguísticas da América do Sul.

Tupi-Guarani é uma família de línguas; por exemplo: eu posso falar tupi porque é uma língua, eu posso falar guarani porque também é uma língua, mas não posso falar tupi-guarani, pois essa palavra composta é na verdade uma generalização, refere-se a uma família de línguas e não é uma língua falada.

tupi-guarani é uma família linguística do tronco tupi que congrega várias línguas indígenas sul-americanas, e que tem uma ampla distribuição geográfica. São também designadas como tupi-guarani (associadas a família linguistíca), as tribos indígenas que habitavam o litoral brasileiro, quando da chegada dos portugueses ao Brasil em 1500. (Fonte)

Após este esclarecimento inicial sobre “tupi-Guarani’ vamos as ‘ligações ‘ relacionando o curioso fato destes recentes ‘fatos’ atuais ocorrerem em cidades com nomes em tupi guarani e que significados possa se estar tentando inserir cognitivamente em nossas mentes, ainda que não sejamos plenamente conscientes disso.

Podemos usar como ponto de partida a ‘seta’ um símbolo claro para qualquer um, e que foi encontrado em um Agroglífo em:

Ipuaçu,/Oeste de SC com Agroglífo em forma de uma ‘seta’ e Ipuaçu, em tupi-guarani, significa “lajeado grande, uma característica do leito do Rio Chapecó.

Yaciretá/Paraguai Yacyretá-Apipé do guaraní jasy retã, “terra da Lua” . Dois minutos depois do sistema elétrico brasileiro entrar em pane, a usina de Yaciretá que fica no rio Paraguai entre Paraguai e Argentina também saiu do ar. Por isso o Paraguay ficou 100% sem energia (80% por conta de Itaipú e 20% por conta de Yaciretá).

Itaipú uma ilha que existia perto do local escolhido para construção da Hidroelétrica e no idioma tupiguarani, Itaipú  significa o som de uma pedraou apedra que cantaou ainda ” o barulho do rio das pedras

Itaberá/SP , a cidade que recebeu a rápida passagem de uma ‘ tempestade de verão’  registrou mais de 70 raios mas a cidade mal ouviu os raios e chuvas naquela noite , apenas  quem estava nos campos perto das linhas de transmissão ouviu os estrondos napedra que brilha, justamente o significado da palavra itaberá… Mas a cidadezinha, apesar de ter sido o epicentro do apagão, lá a luz não acabou.

Ivaiporã /PR  Vem do guarani, “Ivai” + “porã”. Ivaí – Vem do guarani e significa “rio da flor ou fruta bonita“. Segundo Teodoro Sampaio, o termo derivou de “ü”ba”… frutas, flor e de “ü” (y)… rio: rio das frutas, ou “yiba”… flecha e “ü” (y)… água, rio: rio das flechas. Macedo Soares interpreta como rio das ubás, rio das canoas, das flechas, das árvores, das frutas e das uvas. (AN, FF). O termo porã significa bonito, belo, formoso. (OB)


A Aumbandha nos levaria diretamente a associar aos arquétipos  Xangô senhor das pedras e das rochas,  Iansã a senhora dos raios e ventos, e Oxossi caçador (com seu arco e flecha-seta) o senhor guardião da floresta e de todos os seres que nela habitam, 2009 por  sincretismo também é relacionado ao ano de arcanjo Miguel que é o Anjo que cuida da luz da sua alma, não por acaso são os ‘regentes’ deste ano, que estão em ‘ronda’… O elemento é a Água.

Destacamos Xangô, que especificamente ‘rege’ o mês de novembro
Significado: aquele que se destaca pela força
Dia da semana: quarta-feira
Cores: vermelho (ativo), branco (paz), marrom (terra)
Saudação: Kaô Kabiesilê! (venham ver nascer sobre o chão)
Elemento: terra (pedras), Fogo (grandes chamas, raios), formações rochosas.
Domínios: rochas que o raio quebra, Poder estatal, justiça, questões jurídicas
Instrumento: oxé (machado de pedra de lâmina dupla)

Xangô é o orixá cujo domínio está nas rochas, principalmente as que foram destruídas pelos raios. Na África, é chamado Jacuta, ou seja, “o lançador de pedras”.

E também Iansã que rege o ano e as quartas-feira

Dia da semana: Quarta-feira
Cores: Marrom, Vermelho e Rosa
Símbolos: Espada e Eruesin
Elementos: Ar em movimento, Fogo
Domínios: Tempestades, Ventanias, Raios, Morte
Saudação: Epahei!


O que isso tudo pode estar tentando nos alertar?

Volteremos a escrever sobre isso, ainda tem outros fatores que estamos investigando, por hora, deixo como dica uma música de Caetano, aqui interpretado por Zé Ramalho que expressa exatamente o que penso que possa estar ocorrendo.

Um índio descerá de uma estrela colorida brilhante

De uma estrela que virá numa velocidade estonteante

E pousará no coração do hemisfério sul na américa

Num claro instante


Depois de exterminada a última nação indígena

E o espírito dos pássaros das fontes de água límpida

Mais avançado que a mais avançada das mais avançadas

Das tecnologias


Virá

Impávido que nem muhamed ali

Virá que eu vi

Apaixonadamente como peri

Virá que eu vi

Tranqüilo e infalível, como bruce lee

Virá que eu vi

Foxé do afoxé filhos de gandhi


Um índio preservado em pleno corpo físico

Em todo sólido, todo gás e todo líquido

Em átomos, palavras, alma, cor, em gesto, em cheiro,

Em sombra, em luz, em som magnífico


Num ponto equidistante entre o atlântico e o pacífico

Do objeto sim resplandecente descerá o índio

E as coisas que eu sei que ele dirá, fará

Não sei dizer assim de modo explícito


E aquilo que nesse momento se revelará aos povos

Surpreenderá a todos não por ser exótico

Mas pelo fato de poder ter sempre estado oculto

Quando terá sido o óbvio.

***********************************************************

 

Inúmeras versões podem ser dadas à verdade, torcendo tanto os fatos até que pareça a verdade a mais inverossímil das possibilidades. Contudo, apesar das distorções a verdade prevalecerá, porque o tempo está ao seu favor.

O momento é propício à ação correta, pois dela surgirão resultados auspiciosos. O céu faz sua parte provendo as oportunidades. Agora só falta você fazer a sua parte também, empreendendo a ação correta.

Quiroga

~ por arauto do futuro em novembro 13, 2009 sexta-feira.

6 Respostas to ““O SOM DA PEDRA QUE BRILHA””

  1. Olá amigos… tenho uma sugestão sobre o significado do nome da cidade paulista: Não seria a pedra que brilha, mas talvez a pedra que recebe o brilho. Provavelmente os indígenas conheciam a capacidade do solo(pedra) de atraor os raios(brilho)
    Não é uma afirmação… só uma suposição!!
    Abraço Fraternal!!!

  2. Muitos fatores, de motivações políticas à tempestades solares, podem ter desencadeado este apagão. Mas o que fica sempre exposto é a fragilidade de nosso sistema e organização atuais, cujas motivações reais não conseguem mais amarrar ou dar conta das necessidades mais óbvias. Eu gostaria muito de ver uma inversão obrigatória no sistema atual, baseado na competição e na exploração do homem, portanto, um sistema que promete liberdade e direitos enquanto diminue e escravisa. Esse sistema vai cair, assim como todos os que estiverem a ele relacionados. É uma verdade simples e facilmente verificável. Algumas horas de apagão que o digam.

  3. O Brasil é um gigante em terras férteis e culturas capazes, não precisa deste modelo de desenvolvimento irracional e predatório, próprio à países que já devastaram seu meio ambiente ou que já se formaram em ambientes semi-devastados. Os governos simplesmente não perceberam que acabou o tempo de se promover desenvolvimento sem justiça social, sem distribuição de renda adequada, sem desenvolvimento sustentável para pessoas e ecossistemas. O tempo de se trabalhar em regime de competição também já acabou. Agora é o tempo da cooperação em prol de comunidades, não em prol de líderes egocêntricos e mesquinhos, que utilizam pessoas e recursos para fins irracionais e medíocres. Toda e qualquer iniciativa dentro destes paradigmas superados pela urgência e clamor dos tempos atuais, já nasce condenada a um estrondoso fracasso. Quem quiser que duvide e insista.

  4. […] “O SOM DA PEDRA QUE BRILHA” […]

  5. […] “O SOM DA PEDRA QUE BRILHA” […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s